quarta-feira, 14 de abril de 2010

S.O.S. Beauty

Novas técnicas, aparelhos e substâncias para ficar com tudo em cima – no rosto e no corpo. Tudo direto do mais recente Congresso da Academia Americana de Dermatologia e do último Simpósio Internacional de Cirurgia Plástica.

Preenchedor poderoso
O que é: Juvéderm Voluma, preenchedor à base de ácido hialurônico, aprovado pelo FDA (órgão americano regulamentador de alimentos e medicamentos), mais concentrado e maleável.

Para que serve: “O produto repõe os volumes das maçãs do rosto e do queixo”, explica a dermatologista Cláudia Magalhães, de Recife. “É uma evolução, pois esse novo ácido poderá ser injetado abaixo da derme com resultados prolongados, algo em torno de 18 meses”, explica o dermatologista André Vieira Braz, do Rio de Janeiro.

Como funciona: O procedimento é feito em consultório e com anestesia local. “O produto é introduzido por meio de cânula ou agulha. O efeito é imediato, mas a região pode ficar inchada ou com pontos roxos por alguns dias”, explica André Braz. Custo aproximado: 2,5 mil reais (a redefinição do rosto é feita em uma sessão, com revisão depois de 15 dias).



Preenchedor à base de algas

O que é: Lançado recentemente na Europa, um novo preenchedor, o Novobel, da Merz, à base de alginato (derivado de algas).

Para que serve: O novo produto tem a mesma ação da maioria dos preenchedores à base de ácido hialurônico. “Com a vantagem de ser feito de minúsculas esferas de alginato, que tornam a aplicação mais precisa e menos dolorosa”, revela o dermatologista Davi de Lacerda, de São Paulo.

Como funciona: Depois de injetado, o produto se torna mais rígido, preenchendo rugas, vincos e aumentando o volume de lábios por mais tempo. Custo: não definido.

14 novidades apresentadas no Congresso da Academia Americana de Dermatologia e no último Simpósio Internacional de Cirurgia Plástica:

Anticelulite e flacidez

O que é: Já aprovado pelo FDA, o Reaction, da Viora, é um aparelho multiuso. No Brasil, a Medpro será responsável por sua importação, informa a dermatologista Edislene Viscardi, de Blumenau, Santa Catarina.

Para que serve: Indicado para combater flacidez, celulite e redimensionar o contorno corporal. Pode ser aplicado no corpo, rosto e pescoço.

Como funciona: Reúne três níveis de radiofreqüência e quatro de sucção. “Essa variação de níveis permite que o aparelho atinja diferentes profundidades da pele, mudando de acordo com a gravidade da celulite e da flacidez, além de considerar a sensibilidade de cada paciente. Os três níveis de radiofreqüência podem ser usados ao mesmo tempo para tratar a celulite e a flacidez cutânea de uma só vez”, descreve Edislene. São necessárias seis sessões (uma por semana). Preço: ainda não definido.



Menos celulite, mais firmeza

O que é: Freeze, aparelho da Vênus Technologies. Ainda não há uma data certa de chegada ao Brasil, mas alguns dermatologistas, como Paulo Barbosa, de Salvador, acreditam que possa estar por aqui em seis meses.

Para que serve: Trata flacidez, celulite e redesenha o contorno corporal.

Como funciona: A associação de um pulso magnético com radiofreqüência bipolar faz um aquecimento uniforme da área tratada, sem risco de queimaduras. “Ele estimula a lipólise (queima de gordura) e melhora o suprimento de oxigênio para as células”, conta Paulo Barbosa. “A radiofrequência aumenta a produção de colágeno e elastina, deixando a pele mais firme”, complementa a dermatologista Jozian Quental, de São Paulo. São necessárias de seis a oito sessões (uma por semana). Custo: a definir.

Nocaute triplo: flacidez, gordura e celulite

O que é: Apollo, um aparelho que chegou às clínicas em janeiro. Ele emite energia de radiofrequência Tri Polar: a energia circula entre três pólos, formando um campo energético focado.

Para que serve: Promove o efeito lifting em áreas que tenham tendência à flacidez (além do rosto, parte interna da coxa, braços, parte superior do joelho e bumbum), reduz depósitos de gordura e ameniza a celulite.

Como funciona: Cada cabeçote do aparelho (um grande para o corpo, um médio para o rosto e um pequeno para a região das pálpebras e da boca) aquece ao mesmo tempo as camadas superficiais e profundas da pele em apenas 30 minutos, pois não é preciso trocar os cabeçotes, como acontecia com aparelhos mais antigos. O melhor: sem causar danos à superfície da pele. “O aquecimento estimula a produção de novas fibras de colágeno na derme e, por chegar ao tecido subcutâneo, onde fica a gordura, acelera seu metabolismo, dando uma enxugada nas áreas tratadas”, revela a dermatologista Juliana Macéa, da clínica Nuno Osório, em São Paulo. Custo: cerca de 500 reais, por sessão e área (no total de seis a oito sessões, uma vez por semana).

Laser 3 em 1

O que é: Fraxel Dual, um aparelho de laser. Aprovado pelo FDA (órgão americano regulamentador de alimentos e medicamentos), deve chegar em até seis meses ao Brasil.

Para que serve: Combate rugas, manchas e vasinhos, tudo ao mesmo tempo.

Como funciona: Tem duas ponteiras: a tradicional de laser de Erbium, indicada para rejuvenescimento facial profundo, eliminação de cicatrizes de acne e estrias, e a nova de Thulium, que serve para rejuvenescimento superficial, melanoses e vasinhos. “Essa nova versão do aparelho consegue atingir melhor os pigmentos da pele, proporcionando, além de melhora do colágeno, um clareamento mais eficaz”, explica a dermatologista Carla Albuquerque, de São Paulo. São indicadas de duas a cinco sessões (dependendo do caso), com intervalo de cerca de um mês entre elas. Preço aproximado: R$ 1.500, a sessão.


Cosméticos elétricos anti-idade
O que são: Cosmecêuticos criados com base em pesquisas de ponta feitas pela multinacional Johnson & Johnson e que foram a sensação no Congresso da Academia Americana de Dermatologia. Os novos produtos geram correntes elétricas na pele para estimular a síntese de colágeno e elastina. A previsão é que cheguem ao Brasil a partir de setembro.

Para que servem: Rejuvenescer a pele do rosto. “Há indícios de melhora na flacidez da pele, nas rugas e até no clareamento de manchas”, diz o dermatologista Omar Lupi, presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Como funcionam: Os cosmecêuticos se baseiam na teoria da bioeletricidade do corpo. “A formação de eletricidade na superfície da pele – similar à do processo de cicatrização, que leva à produção de colágeno – é transferida de célula a célula até chegar às camadas mais profundas, estimulando a multiplicação das fibras colágenas. Os cosmecêuticos contêm zinco e cobre (os mesmos íons das pilhas), que, combinados com a água da fórmula, funcionam como uma espécie de bateria”, explica a dermatologista Érica Monteiro, de São Paulo. O preço ainda não está definido.

Lipo: cânula descartável
O que é: Uma nova cânula descartável feita de aço inox e revestida de silicone para substituir a cânula de ferro não descartável, utilizada pela maioria dos cirurgiões plásticos. Desenvolvida em 2009, foi tema do 11o Simpósio Internacional de Cirurgia Plástica, em março.

Para que serve: Fazer lipoaspiração e enxerto de gordura. “Torna os procedimentos cirúrgicos mais seguros, já que diminui o risco de contaminação por bactérias e permite um pós-operatório menos desconfortável e doloroso”, diz o cirurgião plástico Ewaldo Bolivar de Souza Pinto, responsável pela novidade e coordenador do simpósio.

Como funciona: A flexibilidade da nova cânula torna a remoção da gordura menos traumática e permite ao médico maior sensibilidade em relação a outros órgãos da região, prevenindo possíveis perfurações.


Prótese em cone
O que é: Prótese de silicone cônica feita de poliuretano, substância considerada atualmente a mais segura.

Para que serve: “Graças ao formato em cone e as bordas em degradê, que imitam a curvatura natural das mamas, é possível colocar próteses maiores para deixar os seios firmes, sem deixar a aparência artificial,” explica o cirurgião plástico Noel Lima, do Rio de Janeiro. Esse recurso evita o formato de bola de próteses mais antigas. Para o cirurgião plástico Sérgio Aluani, de São Paulo, a novidade é perfeita para mamas caídas após perda de peso ou amamentação.


Como funciona: A cirurgia para implante do silicone é idêntica à tradicional. A prótese pode ser inserida por meio de uma incisão de cerca de 7 cm nos sulcos abaixo dos seios ou na borda inferior do mamilo. “Com um pós-operatório bem feito, a paciente poderá voltar a dirigir em duas semanas”, garante o cirurgião Noel. Preço: sob consulta.


Pálpebras novinhas em folha
O que é: Cirurgia de rejuvenescimento dos olhos associada com o enxerto de gordura do próprio paciente para resultados mais naturais.

Para que serve: “A gordura é usada para preencher locais onde houver depressões e sulcos, dando jovialidade ao olhar”, explica o cirurgião plástico Nelson Letízio, de Rio Claro, São Paulo. Primeiro, o médico usa o laser de CO2 para remover a pele e as bolsas das pálpebras. Em seguida, enxerta a quantidade ideal de gordura nos locais onde há a necessidade. “Essa técnica deixa a aparência mais natural”, garante.

Como funciona: A gordura do próprio paciente pode ser retirada do joelho ou do abdômen. “O material é totalmente tolerado. Não há nenhum tipo de rejeição”, explica o médico. Outra vantagem: esse tecido gorduroso é rico em células-tronco, que melhoram o aspecto da pele. Preço: sob consulta

Toxina botulínica em forma de creme
O que é: Revance, toxina botulínica de uso tópico, em fase final de aprovação pela Food and Drugs Admnistration (FDA), com cerca de três anos de estudo e análise de 2 mil pacientes. Deve chegar ao Brasil no próximo semestre.

Para que serve: Para rugas superficiais, como pés de galinha e linhas ao redor dos lábios e as do pescoço. “Além disso, apresentou bons resultados ao reduzir a aparência dos poros e a acne”, revela o dermatologista Marcelo Bellini, de São Paulo. “Poderá ser usada também para controlar o suor em axilas, mãos e principalmente pés”, diz o dermatologista Davi de Lacerda, de São Paulo.

Como funciona: O grande trunfo do produto é a capacidade de as partículas da toxina tópica atravessarem a epiderme e a derme para chegar ao músculo. “Parece ser um mix de mecanismos que envolvem a transpiração e a transmissão celular, mas o segredo está guardado a sete chaves”, conta Marcelo. No músculo, funciona como a toxina injetável. Ainda não há a previsão de quanto vai custar.


Rosto: lifting light
O que é: Suspensão da face por meio de pontos internos (em forma de pregas para costurar a musculatura) chamados de plicaturas, no lugar do tradicional lifting facial, feito com cortes e descolamentos de músculos.

Para que serve: Fazer com que a cirurgia seja menos agressiva, mais rápida e com menos cicatrizes no pós-operatório.

Como funciona: Após descolar a pele, o cirurgião a suspende e faz as plicaturas. “A técnica evita grandes descolamentos e preserva mais o músculo”, explica o cirurgião plástico Paulo Muller, do Rio de Janeiro. A cirurgia dura cerca de uma hora. Preço: sob consulta.


Frio X Gordura
O que é: O aparelho Zeltiq, que promete destruir as moléculas de gordura pelo frio. “A técnica foi desenvolvida pelo dermatologista americano Richard Rox Andersen, de Harvard, criador do laser Fraxel para as rugas”, revela a dermatologista Daniela Nunes, da Slim Clinique, no Rio de Janeiro. O equipamento, aprovado pelo FDA, deve chegar ao Brasil no segundo semestre.

Para que serve: Para a redução de medidas. “Pesquisas revelaram a perda de 3 cm na região do abdômen”, revela a dermatologista Valéria Campos, de São Paulo. Indicado para pessoas magras com gordura localizada.

Como funciona: O aparelho usa a criolipólise, que causa o resfriamento profundo da pele até 4 oC. “O novo aparelho faz uma redução progressiva das medidas. Os resultados finais aparecem depois de 90 dias, com resultados prolongados”, explica a dermatologista. Preço: não definido.


Mais firmeza, menos dor
O que é: O conhecido aparelho de radiofrequência Thermacool ganhou um novo sistema, chamado de CPT (Comfort Pulse Technology).

Para que serve: Tratar flacidez do rosto e pescoço. “Serve também para prevenir estrias”, conta a dermatologista Roberta Bibas, do Rio de Janeiro.

Como funciona: A energia da radiofrequência provoca a síntese de novas fibras colágenas. “É mais eficiente na emissão das ondas de calor, que penetram na derme e permanecem mais tempo no local, estimulando o colágeno”, explica Roberta. “As ponteiras emitem a energia e ao mesmo tempo vibram, causando menos dor”, explica a dermatologista Catarina Capela, de São Paulo. Custo: em média, de 5 mil a 8 mil reais, a sessão. Deve ser repetida a cada seis meses ou um ano.

FONTE: Sandra Hirata - Revista Elle (http://elle.abril.com.br/)

3 comentários:

  1. Vc sabia que o laser qdo mal aplicado ou feito com maquinas locadas que muitas vezes nao são feitas manutenção, no meu caso uma medica aplicou laser sem minha autorização em volta dos olhos tive terrivel quadro de ceratite, inflamação nos olhos,disfunção lacrimal, problemas no nervos faciais e no trigemio ainda em trtamento pos 6 meses de grande sofrimento, tudo fartamente documentado e com laudos do iml, isso tudo por causa de uma infeliz que achou q podia passar laser nas palpebras sem me consultar, e acabei tbem por levar muitos choques da maquina starlux, pois ela nao sabia nada e tinha um rapaz que operava a maquina pra ela

    ResponderExcluir
  2. Mara,
    Estas e muitas outras complicações podem sim ocorrer. Por isso as máquinas devem ter manutenção frequente e o profissional deve ser o médico. Mesmo assim, para operar uma máquina de LASER é preciso de muito estudo, porque não basta ligar a máquina e dar o disparo. O médico precisa prever as complicações que podem ocorrer e evitá-las ao máximo. Cada paciente tem um tipo de pele, uma sensibilidade diferente. Existem vários tipos de LASER, um para cada tipo de problema, mas nem todo paciente pode ser tratado.
    Mesmo tomando todos esses cuidados, ainda podem ocorrer reações indesejáveis, e isso deve ser sempre conversado com o paciente.

    ResponderExcluir
  3. Ola Dr Gabriela!
    Vc conhece o ICOONE?
    é um equipamento italiano.
    obrigada!

    ResponderExcluir