segunda-feira, 17 de junho de 2013

Unha encravada: um problema dolorido

Gabriela Issa, médica dermatologista, responde a algumas questões sobre esse assunto incômodo.



• O que é unha encravada? Como a condição se desenvolve?
A unha encravada ocorre quando há um aumento da pressão entre a unha e a pele ao redor, causando uma inflamação em torno da unha. Quanto maior a inflamação, maior a pressão, o que inicia um círculo vicioso. O local mais comum são os dedões dos pés, pois é onde ocorre uma maior pressão pelo próprio andar e uso de sapatos.

• Existem vários tipos?
Existem graus que variam do I ao III. No grau I só existe dor quando se toca as laterais das unhas; no grau II, há sangramento ou pus; e no grau III, já há uma hipertrofia permanente do tecido ao redor da unha.

• O que fazer para evitá-las?
Evitar sapatos apertados e de bico fino para não causar pressão.
Cortar as unhas de forma reta, sem arredondar as pontas, pois quando elas crescerem vão empurrar a pele ao redor e provocar a inflamação, o que dá início ao encravamento.
Evitar traumatismos e não retirar a cutícula para evitar inflamação do tecido periungueal.

• Como o problema pode ser solucionado?
Nos graus mais leves, o uso de antibióticos e anti-inflamatórios pode resolver o problema. Colocar um algodão na dobra da unha é uma medida muito eficiente, pois impede o contato entre a unha e a pele ao redor. Outra medida eficaz é o uso da órtese de fibra molecular de memória colocada pelo podólogo, que corrige o crescimento da unha.
Quando essas medidas não forem suficientes ou se o grau é avançado, a cirurgia será o método de escolha. Esta é feita sob anestesia local e tem bons resultados.
-
da Redação do Portal “O que eu tenho?”

sexta-feira, 14 de junho de 2013

Envelhecimento da Pele


O envelhecimento natural (envelhecimento intrínseco) da pele, ou seja, aquele que é programado geneticamente, independente da exposição solar, fumo ou outros fatores, torna a pele fina, seca, enrugada, sem elasticidade e frágil. As unhas se tornam frágeis, quebradiças e com estrias longitudinais. Os cabelos perdem o pigmento, se tornando brancos e diminuem de volume, podendo provocar a calvície.

Associado ao envelhecimento natural, também podemos ter o envelhecimento extrínseco, que é aquele causado por fatores como exposição solar e o cigarro. Nestes casos a pele apresenta-se áspera, espessa, amarelada, fosca, seca e com manchas claras ou escuras. Este envelhecimento pode ser prevenido com o uso de protetores solares e melhorar os hábitos de vida.

Para os 2 tipos de envelhecimento há formas de tratamento capazes de evitá-los e melhorar os aspecto da pele. Os tratamentos podem incluir laser, peeling químico, preenchimento, toxina botulínica, carboxiterapia. O objetivo dos tratamentos é fazer com que as pessoas possam se sentir bem, independente da idade, com a pele saudável.

Cada idade tem a sua beleza e esta deve ser valorizada sempre!