sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Psoríase e Unhas


As alterações ungueais na da psoríase podem preceder o aparecimento de lesões de pele em meses ou até anos. Essas alterações nas unhas podem ser pequenos furinhos (unha em dedal), estrias, descolamento, ceratose subungueal ("massinha por baixo da unha), manchas amareladas ou róseas. Muitas vezes é difícil fazer o diagnóstico até as lesões de pele aparecerem. As unhas alteradas da psoríase estão mais sujeitas à infecções por fungos (micoses) e bactérias.


quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Caspa: causas e soluções

Entenda as causas da dermatite seborreica e saiba como combatê-la

Talvez a única coisa pior do que acordar com o cabelo de mau jeito seja se deparar com os temidos pontinhos brancos capazes de estragar qualquer visual. A caspa é um pesadelo. Apesar de ser um distúrbio conhecido há bastante tempo, a dermatologia ainda desconhece as causas exatas do surgimento do fungo, assim como uma solução que seja 100% eficaz.

Descamação e oleosidade

De acordo com a diretora da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), Maria Fernanda Gavazzoni, o problema é resultado de descamação acompanhada de oleosidade excessiva. "É conhecida como dermatite seborreica", diz. A professora Solange Cardoso, chefe do Serviço de Dermatologia do Hospital Universitário Pedro Ernesto (HUPE), na UERJ, acrescenta: "É uma dermatose crônica e surge com frequência em áreas ricas em glândulas sebáceas como couro cabeludo, orelhas, face, região inframamária e tronco. A pele fica avermelhada com escamas amareladas graxentas. Nas formas mais leves, apresenta-se como uma fina de descamação no couro cabeludo".

Causas

A causa para o surgimento do fungo ainda é um mistério para a medicina dermatológica, mas as especialistas levantam hipóteses. "Parece ter causas genéticas associadas à intensa atividade das glândulas sebáceas e à participação do fungo chamado Malassezia", explica Gavazzoni. Solange Cardoso complementa: "Composição anormal do sebo e o uso de certas drogas podem ajudar no surgimento da caspa, que também pode estar associada à infecção pelo vírus do HIV nas formas mais severas e persistentes".

A falta de higiene não é necessariamente um causador dos pontinhos brancos. No entanto, fatores emocionais podem influenciar na permanência do distúrbio, que não é contagioso. "O estresse está frequentemente associado à piora das lesões. A dermatite seborreica pode estar relacionada a anormalidades neurológicas como o Parkinson e a influências do sistema nervoso", esclarece a professora Solange, acrescentando que, apesar de não influenciar diretamente, o asseio deve ser realizado: "A falta de higiene pode aumentar a oleosidade e, portanto, o aumento de fungos e bactérias".

Clima frio agrava

A caspa apavora as mulheres, mas é mais presente em homens, explica Gavazzoni, pois a atividade da testosterona é maior e ativa a ação das glândulas sebáceas, piorando o problema. No inverno, a incidência é maior. "A dermatite seborreica piora nos climas frios e secos por uma maior atividade das glândulas sebáceas neste período", diz a presidente da SBD. "O fluxo sanguíneo e a temperatura da pele podem ser responsáveis pela distribuição do eczema. Variações sazonais de temperatura e umidade estão relacionadas à piora da dermatite", inteira Cardoso.

O tratamento para a caspa se dá através do uso diário de shampoos à base de piritionato de zinco, cetoconazol, ciclopirox olamina e ácido salicílico. "Dependendo da intensidade das lesões é importante o exame por um dermatologista", ressalta a professora do HUPE.

O eczema seborreico, de acordo com as especialistas, é uma doença crônica. Por isso, não existe um tratamento que elimine a caspa de vez e o acompanhamento por um profissional é necessário. Para prevenir o surgimento do fungo, Gavazzoni aconselha: "As pessoas que têm propensão devem optar pelos shampoos com os elementos citados anteriormente e evitar condicionadores e cremes capilares". 


FONTE: Bolsa de Mulher - Nayara Marques

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Relação entre sono e beleza agora tem comprovação científica

Nossas avós já sabiam, mas a relação entre o sono e a aparência acaba de ser provada cientificamente. Um estudo publicado no periódico "British Medical Journal" mostra que dormir bem deixa a pessoa mais atraente.
Neurocientistas da Instituto Karolinska, na Suécia, fotografaram 23 pessoas em dois momentos: após uma boa noite de sono, e após 31 horas seguidas de vigília.
Observadores, que ignoravam o objetivo do estudo, avaliaram as imagens, mostradas aleatoriamente para que a ordem não influenciasse as considerações.
As fotografias também tinham um padrão - ninguém usava maquiagem e todos tinham a mesma expressão.
Os observadores acharam as pessoas menos atraentes, menos saudáveis e mais cansadas nas fotos feitas quando elas foram privadas de sono.
Durante o sono, o organismo produz hormônios que renovam a pele. Os principais são o GH (hormônio de crescimento) e o ACTH, hormônio que controla a produção de cortisol, explica a endocrinologista Elaine Costa, que é professora da Faculdade de Medicina da USP.
Quando não há repouso adequado, o corpo secreta hormônios associados ao estresse que alteram funções e levam à vasoconstrição, deixando a pessoa pálida e com aparência cansada, diz a dermatologista Flavia Addor, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.
Mais do que a quantidade, importa a qualidade do sono, especialmente na fase REM, em que o repouso é profundo, de acordo com o neurologista Rubens Gagliardi.
Se o organismo não entra nessa fase, neurotransmissores são produzidos de forma anormal, desregulando a secreção de hormônios.




FONTE: Folha Online - Mariana Versolato