sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Uma dermatologista pra esclarecer suas dúvidas

Matéria publicada no blog attitudefeminina (http://attitudefeminina.wordpress.com)

  Isso mesmo ! Temos uma dermatologista a disposição para nos responder, e tirar todas as nossas duvidas.
Eu agradeço muito a Dra. Gabriela Bernhard que foi muito atenciosa e se prontificou em responder todas as perguntas, ela que é médica Dermatologista com Título de Especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia e digo mais : teremos ela aqui sempre , então coloquem a mão na massa e mandem perguntas, qualquer duvida que tiver eu repasso para ela e o mais rapido possivel eu posto aqui pra vocês . Isso é que me gratifica, passando as informações pra vocês minhas flores mais lindas.
Qual é o cuidado diário que devemos ter com nossa pele? É necessário usar loção tônica? O cuidado básico que devemos ter com a pele é deixá-la livre de impurezas lavando o rosto e retirando toda a maquiagem. A loção tônica ajuda a fechar os poros e pode ser usada após a limpeza. Mas deve-se usar produtos apropriados de acordo com  tipo de pele.
Qual o maior erro da maioria das mulheres no que diz respeito aos  cuidados com a pele? O maior erro é o uso de produtos indicados por amigas e parentes. Cada pessoa tem um tipo de pele com necessidades específicas. Muitas vezes o uso de determinado cosmético ou medicamento pode resultar em efeitos indesejáveis como irritação, alergias, manchas, acne.
           Existe um número aconselhável de vezes para lavar o rosto todos os dias?O ideal é lavar 2 ve zes ao dia, ao acordar e à noite. Mas se houver necessidade, pode-se lavar até 3 vezes ao dia. Pessoas com pele oleosa ou com acne tendem a lavar o rosto várias vezes durante o dia, o que não é bom porque o ressecamento da pele causado pelas lavagens excessivas leva a um efeito rebote com produção de mais oleosidade pelas glândulas sebáceas.
         Quem tem pele oleosa deve usar hidratante? Quem tem pele oleosa não precisa e não deve usar hidratantes. Hoje existem alguns hidratantes com propriedades de controle da oleosidade mas mesmo assim o uso deve ser bem restrito porque pode piorar o quadro e causar acne.
       Com que idade devemos começar a usar produtos antissinais? A partir dos 25 anos a nossa pele já começa a perder elasticidade, colágeno, e já seria a hora de começar a prevenção do envelhecimento com produtos que contenham antioxidantes como a vitamina C. Mas o principal é o uso do filtro solar, que já deve começar na infância, só esse cuidado já vai colaborar muito para a saúde da pele.                                
      Com que idade devemos começar a usar hidratante na área dos olhos?
Ao 25 anos já se pode começar a usar produtos próprios para a idade, geralmente compostos com anti-oxidantes.
    A Dra. aconselha fazer limpeza de pele? De quanto em quanto tempo? Quem tem comedões (cravinhos) deve fazer limpeza de pele porque nem sempre os cosméticos de uso diário conseguem eliminar o problema. Quem tem a pele muito oleosa, com mais tendência a formação de comedões pode precisar realizar até 1 vez por mês.
Sobre o uso de ácido como funciona, os tipos e pós uso do mesmo o que fazer?
 O ácido vai promover uma renovação celular da pele, estimulando a produção de colágeno, clareando manchas e atenuando rugas finas. Os tipos mais comuns de ácidos presentes nos cosméticos são o retinóco e o glicólico, mas o ideal é consultar o dermatologista porque peles sensíveis podem apresentar efeitos indesejáveis como vermelhidão e coceira. Dependendo da necessidade da pele, podem ser acrescentados anti-oxidantes, firmadores, clareadores nas fórmulas. É proibido se expor ao sol durante o tratamento devido ao risco de aparecimento de manchas, por isso o inverno é a melhor época para iniciar o uso de ácidos.

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Cuidados com a pele adolescente

Cuidados com a pele adolescente


Como evitar ou reduzir os estragos da acne

O principal vilão da estética adolescente é a acne. O problema chega a atingir 80% dos adolescentes em todo mundo, sem falar das manifestações mais intensas do problema. Os estragos causados por essa doença podem comprometer a saúde e a vida social da garotada. Uma pesquisa realizada em maio de 2010 pelo American Acne & Rosacea Society (AARS) sobre a percepção que a sociedade tem desses jovens com acne, a partir da observação da imagem de diferentes etnias, com e sem acne, mostra o quanto a doença pode influenciar na percepção e formação da imagem desse indivíduo. Segundo o levantamento, os adolescentes com acne têm maior probabilidade de serem percebidos como tímidos (39% vs 27%), nerds (31% vs 17%), solitários (23% vs 13% ) e tem menos chances de serem vistos como líderes (29% vs 49%).
Embora a acne normalmente se inicie na adolescência, o seu momento de aparecimento difere ligeiramente conforme o sexo. Entre as meninas, costuma surgir dos 11 aos 13 anos, evidenciando-se particularmente entre os 14 e os 27 anos. Nos rapazes, costuma surgir entre os 12 e os 14 anos e manifesta-se essencialmente entre os 16 e os 19 anos. A principal causa da doença é hereditária, mas para quem tem esta tendência existem alguns cuidados especiais com a pele, que podem reduzir o aumento e evitar possíveis estragos, geralmente, causados na pele acnéica, segundo a dermatologista Gabriela Issa. “Não manipular as lesões é muito importante, porque isso aumenta o risco de cicatrizes e manchas, além disso acaba adiando o processo de cicatrização”, alerta Issa. Seguem, então, algumas dicas da dermatologista:
  • O cuidado mais básico e funcional: o rosto deve ser lavado com sabonete próprio 3 vezes ao dia.
  • Nunca mexer ou espremer cravos e espinhas.
  • Não usar sabonetes que contêm hidratantes.
  • O uso de filtro solar é indispensável, mas não pode ser qualquer um. Filtros em creme ou loções podem piorar os cravos e espinhas, por isso devem ser usadas formulações em gel. O gel aquoso tem a vantagem de não arder. O uso do filtro solar vai evitar o aparecimento de manchas causadas pela cicatrização das lesões de acne.
  • Muitas vezes são necessários tratamentos tópicos específicos, que devem ser prescritos pelo dermatologista. Não use produtos indicados por parentes ou amigos, já que poderão causar alergia, irritação, manchas na pele.
  • Se a pele não está melhorando com os tratamentos tópicos, ainda há opções de tratamentos orais com antibióticos e isotretinoína, prescritos pelo dermatologista.
  • Quanto à alimentação, até hoje os estudos científicos divergem em seus resultados e ainda não se conseguiu comprovar a relação entre alimentos e desencadeamento de acne. A tendência atual é de não restringir a alimentação.
  • Também se deve tomar cuidado com produtos para cabelos: o uso de máscaras, silicone, cremes para pentear, que entram em contato com a pele do tronco e da face e também podem desencadear a acne.
  • Quem tem acne acaba usando base ou corretivos que causam obstrução dos poros, o ideal é não usá-los e quando for imprescindível, usar maquiagens que sejam oil-free.
Fonte: Portal Absoluta - http://www.portalabsoluta.com.br/

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Protetor solar na gravidez: tem risco?

Pesquisa sugere que algumas substâncias do produto são absorvidas pelo organismo e expelidas no leite materno

Um recente estudo publicado por pesquisadores suíços confirma uma suspeita antiga dos médicos: substâncias presentes em alguns tipos de protetores solares são absorvidas pelo organismo e excretadas no leite materno. Como tais substâncias podem permanecer armazenadas na gordura do corpo durante semanas, especialistas sugerem evitar seu uso desde a gestação.

A descoberta revela que bebês estão sendo expostos a composições químicas com potencial tóxico. “Cérebro, órgãos sexuais, pulmões e inúmeras glândulas estão em formação nestas crianças, ainda muito novas. Não se sabe o que essa contaminação pode causar”, alerta o cosmetologista Maurício Pupo, consultor em desenvolvimento cosmético e coordenador da pós-graduação em cosmetologia da Unicastelo.

A suspeita já existia porque estudos anteriores tinham verificado a presença de algumas substâncias de protetores na urina e no sangue de adultos. “Se o produto penetra na pele e segue para o sangue, era razoável pensar que ele também poderia ir para o leite materno, em mulheres lactantes”, comenta Pupo.

A taxa de contaminação das lactantes não é pequena. No estudo suíço, realizado com 54 mulheres na Universidade de Zurique, 85,2% das amostras de leite materno tinham algum resquício de protetor solar.

“O que chamamos de protetor solar é, na verdade, uma combinação de 20 a 30 substâncias químicas diferentes na formulação. Algumas requerem atenção”, adverte o especialista.

Existem três substâncias que são particularmente problemáticas: 4-metilbenzilideno cânfora (4-MBC), 3-benzilideno cânfora (3-BC) e octocrileno (OC). Elas são chamadas de poluentes orgânicos persistentes (POPs), que podem permanecer acumulados nos tecidos gordurosos de organismos vivos, dentre eles os seres humanos.

“Essas substâncias estão presentes em cerca de 30% dos protetores comercializados no País”, afirma Pupo. E como os protetores são produtos cosméticos, na classificação da Anvisa, todos podem ser vendidos livremente, sem qualquer receita.

Danos à reprodução

O cosmetologista cita estudos mais antigos, nos quais ficou comprovado que as substâncias 4-MBC e 3-BC afetam o sistema reprodutor de animais. “Elas podem desequilibrar o comportamento sexual feminino, alterar o tamanho da próstata e causar alguns desequilíbrios endocrinológicos”, aponta o especialista. “Em ratos, o crescimento ficou mais lento e a puberdade, postergada”, acrescenta.

Isso acontece, explica Pupo, porque os POPs agem sobre os mesmos receptores do estrógeno, o hormônio feminino. “O organismo pode se confundir”, afirma.

Estes efeitos danosos foram comprovados em animais, não em humanos. “Os protetores são amplamente usados no Brasil e não há relatos de complicações por seu uso”, pondera o dermatologista Sérgio Schalka, tesoureiro da Sociedade Brasileira de Dermatologia(SBD-SP).

Como prevenir

Na dúvida, o cosmetologista recomenda evitar os protetores com as substâncias suspeitas. “Sei que os nomes são complicados para decorar, mas pessoas alérgicas são obrigadas a andar com listas enormes de substâncias que não podem usar”, comenta Pupo.

Ele recomenda algo parecido às grávidas e lactantes. “Anote o nome das substâncias e solicite ao farmacêutico um protetor solar livre delas”, orienta.

Quanto usar

Tendo em mãos um protetor solar adequado para gestantes e lactantes, a mulher deve ter cuidado para usá-lo corretamente. O ideal é aplicar cerca de 30 minutos antes da exposição ao sol, embora algumas marcas já tenham fórmulas mais modernas, com absorção quase imediata.

Cerca de seis colheres de chá são suficientes para o corpo. Elas devem ser espalhadas de maneira homogênea e reaplicadas a cada duas horas. Se a pessoa passar menos protetor, o efeito dele passa a ser menor. Banhos de mar ou de piscina prolongados, com mais de 30 minutos, aceleram bastante a eliminação do protetor. 


FONTE: Delas Online - Portal iG - Bruno Folli
Foto: Thinkstock/Getty Images